Formação Cristã

Formação Cristã

A formação integral num Centro de Aprendizagem da Companhia de Jesus é desenvolvida por duas áreas: acadêmica e formação cristã. Esse trabalho pedagógico requer integração, na constituição de um Currículo que contemple as três dimensões da aprendizagem.

 

No Colégio dos Jesuítas, a Formação Cristã está integrada à Direção Acadêmica. O foco do processo pedagógico é a identidade inaciana, por isso, falamos de Formação Cristã Inaciana no horizonte da excelência humana com um currículo de aprendizagem integral. Os processos formativos são alocados em dimensões:

 

Litúrgico sacramental

Liderança Inaciana

Justiça Socioambiental

Formação Humana Cristã

 

Litúrgico-sacramental 

A dimensão litúrgico-sacramental possibilita que, por meio de sinais sensíveis, Deus comunique à humanidade o dom de sua presença salvífica. A mediação por excelência dessa comunicação divina é a celebração litúrgica, que possibilita a relação de encontro amoroso entre Cristo e a comunidade. Nesse sentido, sendo uma obra apostólica da Companhia de Jesus, que bebe na fonte dos exercícios espirituais, o Colégio dos Jesuítas oferece significativas oportunidades de aprofundar a vivência eclesial por meio de celebrações, retiros, catequeses, pausas inacianas, entre outros. Disponibiliza-se, dessa forma, uma gama de ações que contribui para o comprometimento com o modo de ser e proceder próprio da fé cristã.

 

Liderança inaciana 

Na perspectiva da Companhia de Jesus, o processo de constituição da liderança é contínuo, uma vez que ser líder significa se colocar num processo de permanente construção. Não se pensa a liderança como algo estanque e atrelado, único e exclusivamente, ao exercício de comando tal como é concebido nas empresas, mas sim como a habilidade de coordenar a própria vida e, eventualmente, a dos demais em consonância com os valores da espiritualidade e da pedagogia inacianas. Nesse sentido, o Colégio dos Jesuítas oferece algumas oportunidades de aprofundamento dos pilares que constituem o princípio da liderança inaciana. Assim, contribui para desenvolver nas pessoas atitudes que impactam positivamente o mundo onde vivem e atuam.

 

Justiça socioambiental

Na Província dos Jesuítas do Brasil, em todas as frentes de Apostolado, trabalha-se para levar adiante o conceito de “justiça socioambiental”, constituído por três dimensões: o cuidado com a natureza, o cuidado com a sociedade e o cuidado com as pessoas. Assim, ao mesmo tempo, ocorre um trabalho de profundo reconhecimento da dignidade da pessoa; assume-se um compromisso com boas políticas públicas, políticas sociais, políticas de acesso a tudo que uma pessoa na sociedade tem direito; e é estimulado um conjunto de políticas de cuidado com os bens da criação.

 

Formação humana cristã 

O Projeto Educativo Comum da Rede Jesuíta de Educação apresenta, como diretriz da formação integral, o desenvolvimento do trabalho educativo a partir de algumas dimensões, entre elas, o cuidado com o cognitivo, o socioemocional e o espiritual-religioso. Dessa maneira, demonstra conceber o ser humano sob a perspectiva da totalidade. Em sintonia com essa norma de ação, o Colégio dos Jesuítas desenvolve atividades que favorecem múltiplas aprendizagens para os estudantes e para a comunidade educativa, como um todo, visando contribuir para o fortalecimento de uma visão global que, alicerçada na espiritualidade cristã, forja homens e mulheres conscientes, competentes, compassivos e comprometidos com a transformação da sociedade.

 

Cidadania Global

 

Convivência Escolar

Educação Inclusiva

Formação para a cidadania

 

  • Convivência Escolar

 

No Colégio dos Jesuítas, acredita-se que a convivência com a diversidade e pluralidade favorece a formação de cidadãos com consciência ambiental, capazes de uma integração harmoniosa entre saúde, sexualidade e gênero, tanto na família como na sociedade; sujeitos conhecedores dos direitos e deveres, favorecendo uma convivência humanizadora.

 

  • Educação Inclusiva

 

Conforme aponta o Projeto Educativo Comum da Rede Jesuíta de Educação, “a prática de educação inclusiva constitui um desafio assumido por todas as unidades como dever de justiça e desafio à nossa competência técnica” (PEC – RJE, 50).

Assim, para todos os centros de aprendizagem da Companhia de Jesus no Brasil, “a proposta de educação inclusiva consiste em pôr em prática um novo conceito, que tem como base tornar a educação acessível às pessoas e, com isso, atender às exigências de uma sociedade que vem combatendo preconceitos, discriminações, barreiras entre indivíduos, povos e culturas” (PEC – RJE, 49).

 

  • Formação para a Cidadania

No Colégio dos Jesuítas, trabalha-se para uma aprendizagem que leve o estudante a participar e a intervir autonomamente na sociedade. Com esse objetivo, entre outras vivências, o cotidiano escolar é enriquecido com o envolvimento de jovens em experiências formativas junto a populações ribeirinhas na Amazônia, em um Encontro de Formação Integral da RJE na Bahia e em um “Summer Program” na Califórnia, no qual, além de experimentarem o dia a dia de uma universidade, os estudantes visitam empresas do Vale do Silício e projetam “startups”.

Contribuindo também para a cidadania global, o colégio desenvolve o Programa Bilíngue da RJE. Do Maternal III ao Ensino Fundamental, o estudante vivencia o inglês de modo natural, contextualizado e construído por meio do conhecimento ativo, em que se privilegia a prática em situações cotidianas de aprendizagem.

 

Ser Individual

Respeitando a verticalidade dos temas abordados e as faixas etárias, em uma construção que envolve as dimensões acadêmica e comunitária, as crianças e jovens são convidados a refletir e agir a partir de questões e situações que contribuam para uma maior qualidade nos relacionamentos, em uma visão sustentável no uso dos meios e no seu Projeto de Vida.

 

 

Ser de Relação

Seja estimulando a uma participação mais ativa, seja percebendo potencialidades e desejos, são oferecidas possibilidades de formação, ação, acompanhamento e avaliações em vista de uma inserção autônoma e consciente como lideranças não só no interior do Colégio, mas também em sua Comunidade e na Sociedade.

 

O processo de acompanhamento se dá na formação de lideranças juvenis, segundo as idades escolares, na possibilidade de trabalho com faixas etárias menores, nas campanhas de ação solidária, nas celebrações religiosas e nos eventos da área acadêmica, com implicações na representatividade destes estudantes na comunidade educativa.

 

 

Ser de Transcendência

 

Catequese de Primeira Eucaristia e Crisma

Na busca de construir uma comunidade de fé, a escola oferece a oportunidade de preparação para os sacramentos de iniciação cristã: Batismo, Primeira Eucaristia e Crisma. A Primeira Eucaristia é oferecida a partir do 4º ano do Ensino Fundamental e o Sacramento da Crisma para estudantes a partir do 9º ano. Parte da formação é assumida por mães e pais. Todas as ofertas acontecem fora do horário de aula atendendo aos interesses e disponibilidades dos que buscam a preparação para os sacramentos.

 

Semana Santa e Páscoa

Marco central da fé cristã, o Tríduo Pascal tem a sua importância destacada também no ambiente escolar com a oferta de momentos de reflexão, celebração e vivência. A dimensão comunitária da fé fica assegurada nas dinâmicas e nos momentos celebrativos e a dimensão pessoal fica marcada pelo modo inaciano de orar, com tempos que permitam um mergulho no mistério.

Eucaristia

Culminando a vida da escola na ação de graças e na oração a Deus, a comunidade celebra a Eucaristia. De modo particular, os grandes momentos da liturgia da Igreja, da Cia de Jesus e da vida da escola são celebrados nesse sacramento: abertura dos semestres, Páscoa, Santo Inácio, Formatura da 3ª série do Ensino Médio e Ação de Graças ao término do 9º ano do Ensino Fundamental.

 

Coroação de Nossa Senhora

No mês dedicado às mães, o Colégio realiza uma homenagem a nossa mãe do céu, Maria. O gesto de coroá-la externa o carinho que sentimos pela mãe de Jesus e nossa mãe. Não se trata de uma devoção vazia de sentido, uma vez que Maria não é um fim em si mesma. Ela não é meta, mas sinal. Ela nos aponta Jesus. Oportunidade também de reconhecer e valorizar a presença e a ação das mulheres em nossa comunidade educativa, na Igreja e na sociedade.