Edgar Morin: O Centenário do Filósofo da Complexidade

 

Em 08/07/1921, nascia em Paris, filho de um casal de judeus espanhóis, Edgar Nahoum, mais tarde Edgar Morin, que viria a se tornar um dos principais pensadores contemporâneos. Formado em Direito, Geografia e História e trabalhando com as áreas de Antropologia, Filosofia e Sociologia, Morin é autor de dezenas de livros, entre os quais se destacam obras como O método, Introdução ao pensamento complexo, Ciência com consciência, Os sete saberes fundamentais para a educação do futuro, É hora de mudarmos de via: As lições do coronavírus e Lições de um século de vida.

 

Ao longo do século XX, Morin presenciou e (ou) participou de acontecimentos que abalaram a França e o mundo. Ainda muito jovem, assistiu à escalada do fascismo na Europa e à eclosão da Segunda Guerra Mundial, tendo participado ativamente da resistência francesa à ocupação nazista. Nesse período, adotou o codinome Morin, que viria a se tornar permanente. Mais tarde, vivenciou a grande crise intelectual dos anos 1956-1958 sendo um dos primeiros intelectuais a se opor ao stalinismo. Além disso, participou do movimento contra a guerra da Argélia e pela independência daquele país e analisou os acontecimentos e os desdobramentos culturais das revoltas de maio de 1968, sempre com uma postura atenta e reflexiva. Em 1997, convidado pelo então ministro da educação francesa, Claude Allègre, a presidir um conselho científico que faria sugestões para mudanças no ensino de segundo grau, Morin idealizou e dirigiu as jornadas temáticas, apresentadas na obra A religação dos saberes, cuja proposta fundamental é a realização, no ambiente educacional, de um processo de regeneração humanista fundamentado nos princípios da complexidade e transdisciplinaridade.

 

Membro emérito do Centre National de La Recherche Scientifique (CNRS), o maior órgão público de pesquisa científica da França e um dos maiores do mundo, Morin continua hoje, aos 100 anos, uma vida de intensa produção intelectual e divulgação de inovadoras ideias, entre elas a da necessidade, nas escolas e universidades, de um curso de conhecimento sobre o próprio conhecimento. Em sua vasta obra, destaca-se a centralidade da temática da complexidade, que aparece em vários de seus escritos. Para ele, somente uma abordagem interdisciplinar e transdisciplinar dos saberes pode proporcionar o adequado entendimento das características da sociedade contemporânea, visto que um ensino baseado em conhecimentos fragmentados e compartimentados não é capaz de gerar a compreensão e, portanto, a capacidade de intervenção consciente em uma realidade marcada por problemas cada vez mais amplos, complexos e inter-relacionados.

 

Nesse sentido, Morin alerta para uma importante questão contemporânea, que é a crise ecológica gerada pela dissociação entre natureza e cultura, entre ser humano e ambiente. Tal crise manifesta-se, entre outros desdobramentos, nas catastróficas consequências do aquecimento global e na emergência de grandes epidemias. Assim, embora se declare surpreendido pelo surgimento da covid-19, Morin retira dela diversas lições. Para ele, a pandemia e seus desdobramentos políticos, econômicos, sociais, ecológicos, nacionais e planetários mostram a necessidade de um projeto de preservação do planeta e humanização da sociedade, que permita a erradicação de duas barbáries contemporâneas, tanto aquela explicitada nas desigualdades, nos racismos e nas xenofobias como a gélida barbárie caracterizada pela exacerbação do individualismo e da indiferença.

 

Assim, cabe reiterar aqui a lição fundamental de Morin: para compreender e intervir de forma consequente na complexa realidade contemporânea, é essencial religar os saberes promovendo o reencontro entre as ciências da natureza e as ciências da cultura. Elogiado pelo papa Francisco por sua dedicação em favor de uma política de civilização por um mundo melhor, Morin está aí, centenário e lúcido, nesses tempos de incertezas e perplexidades em que a sensibilidade, a lucidez, a reflexão complexa e o humanismo presentes em sua obra constituem qualidades mais do que necessárias, imprescindíveis, principalmente no mundo da educação.

 

Por Wanderluce Gonçalves de Paula Gomes

Professor 

O Laboratório de Benjamin: Atividade proporciona contato inicial e divertido com a Filosofia

Por meio de um jogo virtual, estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental puderam relacionar a lógica dos games com o conteúdo visto em sala de aula. Na atividade “O Laboratório de Benjamin”, os jovens tinham a interessante tarefa de serem assistentes do cientista Benjamin Walter.

 

Segundo o professor de Filosofia, Rogério Arantes, a maioria dos estudantes têm um primeiro contato com a disciplina no 6º ano, por isso, antes da incursão no conhecimento filosófico propriamente dito, outros tipos de conteúdo estão sendo abordados. Com o jogo virtual, o tema do conhecimento científico, último conteúdo trabalhado no 1º trimestre, foi revisado e finalizado.

 

No jogo, os estudantes eram auxiliares do cientista Benjamin, interessado em saber mais sobre os vírus. Através de perguntas, é possível chegar a diferentes caminhos na atividade e como recompensa, o estudante poderia receber duas medalhas científicas: a de pesquisador e a de antivírus.

 

No próximo trimestre, os estudantes vão interagir com um novo personagem no Laboratório de Benjamin: Joseph, um pesquisador dos mitos. Os temas relacionados ao conhecimento mitológico serão abordados na disciplina.

 

De acordo com o professor Rogério Arantes, materiais de referência no tema da divulgação científica e inovação na educação serviram de base para o desenvolvimento do jogo educativo.

 

Confira uma amostra dos relatos e das interações dos estudantes com o jogo.