Os usos políticos do passado e os porquês de estudar História

 

A História não está pronta, ela não é fixa, pois não existe uma verdade absoluta, uma vez que sofre uma reescrita constante. A História é uma disciplina que procura responder às principais perguntas do presente e, nessa conjuntura, são extremamente relevantes os diversos olhares para o passado que abrem os espaços de lutas de memória. É nesse sentido que, para o nosso início de conversa, destaco um ponto de partida essencial de que o passado é tão misterioso quanto o futuro. As narrativas construídas dependem das apropriações que foram feitas e dos interesses dos sujeitos históricos em seus diversos tempos e espaços. Percorreremos aqui o caminho de alertar a todos e todas sobre os usos políticos do passado para depois mergulharmos mais fortemente sobre os motivos essenciais de estudarmos História.

 

 

Os usos políticos do passado devem ser avaliados, porque não existe neutralidade científica, já que os atores sociais interpretam o passado de acordo com os seus propósitos. É preciso ter esse cuidado ao revisitar as memórias, que, na maior parte das vezes, são marcadas por lembranças e esquecimentos. Nessa linha de raciocínio, costuma-se exaltar aquilo que é mais conveniente no jogo de interesses e apaga-se o que se elegeu que não deve ser lembrado.

 

 

Uma das formas de aprofundarmos o conhecimento histórico é a interdisciplinaridade. Estudar História tem mais sentido quando o conhecimento é interconectado, formando uma teia de possibilidades de relações entre os elementos pesquisados. Como dissera Marc Bloch, é essencial estudar a história dos homens no tempo, e não apenas de fatos estanques e impermeáveis. Nesse aspecto, é importante lembrar como se relaciona a história ao homem e ao tempo e como visualizam os seus ídolos, e o que se entende por passado e presente. A partir daí, poderemos perceber melhor as apropriações políticas do passado.

 

 

Uma maneira interessante de estudar História consiste em legitimar vozes que não foram ouvidas. É reconhecer que a História também é vista de baixo, porque ajuda a convencer aqueles de nós nascidos, sem colheres de prata, de que viemos de algum lugar. É justamente nesses lugares onde as identidades foram escondidas que poderemos escavar a busca de outras narrativas que ainda não conhecemos, inclusive de pessoas comuns, que quase sempre foram relegadas pela História dita oficial e supostamente portadora da verdade.

 

 

Portanto, mergulhando mais profundamente na pergunta essencial aqui “Por que estudar História?”, reitero a importância de não só olhar, porém reparar com detalhes a realidade, decodificar os problemas que o mundo nos mostra e apresentar alternativas, que não proclamem o fim da História, mas uma eterna possibilidade de criação e reconstrução de trilhas, as quais possam levar os homens a vislumbrarem formas de admirarem os diversos projetos de vida.

 

 

Estudar História é se debruçar sobre as questões de cidadania e inclusão social, é pensar na alteridade e empatia para a construção de um mundo melhor. Nesse sentido, torna-se evidente, na contemporaneidade, a importância da História para garantir a permanência de conquistas sociais como democracia, direitos humanos e respeito às minorias. A História nos possibilita compreender melhor o papel do homem enquanto animal político, um ser dotado de inclinações culturais e sociais, que ultrapassam o individualismo.

 

 

De forma geral, a História nos faz construir o conhecimento e produzir ações de cidadania capazes de transformar as vidas humanas nos seus reconhecimentos de estórias, legitimidade de narrativas e de lugares de fala dando vozes àqueles que foram pouco escutados ao longo do tempo, reescrevendo trajetos e possibilidades novas.

 

Bibliografia:

BURKE, Peter. A escrita da História, novas perspectivas. São Paulo. Editora da Universidade Estadual Paulista, 1992.

 

 

______. A Escola dos Annales: 1929-1989. A Revolução Francesa da historiografia. São Paulo: Editora Unesp, 1997.

 

 

WHITE, Hayden. O fardo da história. In:_. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: Edusp, 1994.

 

 

https://www.cafehistoria.com.br/o-que-sao-usos-politicos-do-passado/.

 

Por Leandro de Almeida Silva
Professor

Era Vargas é tema de debates na 3ª série do Ensino Médio

O gaúcho Getúlio Vargas foi presidente do Brasil em duas ocasiões: de 1930 a 1945 e de 1951 a 1954

 

As turmas da 3ª Série do Ensino Médio participaram de um ciclo de debates sobre a Era Vargas (1930–1945), período em que Getúlio Vargas ocupou a Presidência da República. A atividade foi realizada à distância, por meio da plataforma Teams, que é utilizada pelo Colégio dos Jesuítas para aulas e demais encontros virtuais.

 

Segundo o coordenador dos trabalhos, o professor de História Leandro Almeida, os debates aconteceram em cada uma das turmas da 3ª série do Ensino Médio, dos períodos da Manhã e Integral. Cada debate foi dividido em duas partes. Na primeira, os estudantes foram distribuídos em subgrupos de forma aleatória e puderam relacionar diversos pontos de vista sobre Vargas com base em argumentos historiográficos.

 

Depois, com toda a turma reunida, aconteceu o confronto de ideias. “Pude perceber que os estudantes se envolveram muito. Pesquisaram além do que foi disponibilizado e tiveram respeito e tolerância com os colegas, mantendo um alto nível das discussões. Foi uma ótima experiência”, afirma o professor Leandro Almeida.

 

Opinião compartilhada pelas estudantes Giovanna Marinho Duarte, Laura Delgado Lavinas e Maria Eduarda Fraga Gomes, todas da 3ª série do Ensino Médio. No vídeo abaixo, elas falam sobre como os debates ocorreram.

 

 

 

Os debates aconteceram no mês de julho, após o estudo do período varguista. Os estudantes também responderam a questões discursivas e objetivas sobre o tema. Ainda de acordo com o professor de História Leandro Almeida, os jovens fizeram suas próprias pesquisas sobre trabalhos de historiadores e cientistas políticos e sociais, o que contribuiu para o enriquecimento do debate.

 

Getúlio Dornelles Vargas, mais conhecido simplesmente como Getúlio Vargas, nasceu em São Borja (RS) e foi presidente do país em duas ocasiões, de 1930 a 1945 e de 1951 a 1954. Os debates foram focados no primeiro governo, mas foram permitidas citações fundamentadas sobre o segundo mandato.

 

Ad Astra: o mistério por trás dos feitos da Apollo 11

Eu tinha 25 anos. Meu vovô tinha 81. No café da tarde, em um domingo chuvoso, ele tomou um gole de café. Bateu o copo na mesa e disse “eu não acredito que o homem foi na Lua”. Pronto. A partir daquela frase, meu tio, minha mãe, meu pai e eu passaríamos o resto do dia tentando provar que ele estava errado. Eu entendo meu avô. O feito de fazer o ser humano pisar na Lua tem algo de misterioso. Esse mistério, contudo, não é apenas pisar na Lua. É a própria natureza humana.

 

Mais de 563 pessoas já saíram do planeta, de acordo com a Nasa. Ir ao espaço é perigoso e caro, então por que mandar pessoas para lá? Porque a conquista do espaço sideral é apenas uma extensão da disputa pela conquista de qualquer espaço, e a conquista do espaço, milímetro a milímetro, teve seu mais intenso episódio durante a chamada Guerra Fria.

 

Naquela época, qualquer avanço tecnológico que permitisse fazer uma arma nuclear atravessar os oceanos seria considerada o mais decisivo avanço político. De repente, em 1957, a União Soviética fez orbitar, pelo planeta Terra, o primeiro objeto inimigo que espiou os segredos americanos: um satélite artificial. Ali, uma nova espécie de corrida se iniciava: a corrida pelo espaço sideral, que se tornou o novo tabuleiro da geopolítica.

 

O temor de que a URSS dominasse o espaço tornou-se o pesadelo do american dream. Em 1961, o carismático astronauta soviético Yuri Gagarin viajou pela órbita do planeta e retornou em segurança. Os EUA estavam contagiados pela frenética ânsia de ultrapassar esse feito. O presidente John Kennedy anunciou, então, o mais impressionante objetivo: os EUA levariam o homem à Lua. As adversidades foram implacáveis: Kennedy foi assassinado, havia a Guerra do Vietnã, a URSS enviou a primeira mulher ao espaço. Ainda assim, o projeto Apollo 8, com um foguete que pesava mais de três milhões de quilos, alcançou a primeira vitória: circundou a Lua e voltou para casa.

 

Foi assim, que, após todos os mais incríveis esforços humanos, em 20 de julho de 1969, o voo sideral da nave Apollo 11 alcançou a Lua, e Neil Armstrong deu “um pequeno salto para o homem, mas um grande salto para a humanidade”.

 

Essa missão foi e é um espetáculo grandioso, mas não deve ser vista fora de seu contexto. Apollo 11 é, sobretudo, um espetáculo da corrida humana contra seus próprios limites interpretada por dois atores, EUA e URSS, no grande palco do mundo bipolar. Ainda assim, o contexto da Guerra Fria não é capaz de explicar como o homem foi capaz de chegar à Lua. O homem também alcançou o mais alto dos montes, os mais longínquos oceanos e a mais desafiadora vacina contra um vírus mortal. Tecnicamente, chegamos à Lua devido aos avanços do foguete. Não obstante, há algo mais misterioso, mais profundo e mais filosófico que isso. Há a natureza humana.

 

Apollo 11 é sobre quem somos como espécie. Somos transumantes. Somos pais, filhos, netos e bisnetos de imigrantes, nós não somos daqui ou de lá: somos filhos daquilo que queremos alcançar. Somos uma espécie incrível, porque construímos nossa própria realidade. Saber se reinventar é o poder da humanidade. Somos uma espécie em viagem. Não temos residência, apenas bagagem. Nossa bagagem é diferente de qualquer animal. Nossa bagagem é a vontade de superar a nós mesmos. Como diria Einstein: “há uma força motriz mais poderosa que o vapor, a eletricidade e a energia atômica: a vontade”. Temos essa estranha vontade de vitória. Queremos a vitória mais bela possível: seja a vacina, seja pisar na Lua. Qual é a vitória mais bela? Santo Inácio responde-nos “a vitória mais bela que se pode alcançar é vencer a si mesmo.” Por isso, Apollo 11 é feito tão importante. É mais um episódio de nossa jornada estonteante rumo a quem realmente somos.

 

Por Filipe Queiroz de Campos

Assessor de Área – Ciências Humanas

O meu quatorze de julho

 

O ano era 1989. A Avenida Paulista estava repleta de pessoas das mais variadas idades e gêneros. Eis que de repente me deparo com um amigo que, em um primeiro instante, me causou espanto. Sua cabeleira cacheada estava dividida e pintada nas três cores da bandeira da França: azul, branco e vermelho. Poderia ser mais uma alucinação daquele que sempre foi um vanguardista na cultura e nos costumes, que havia vivenciado as “loucuras” dos anos 80, como boa parte da juventude envolvida nas diversas políticas que nos rondavam nos círculos acadêmicos e literários. Mas era muito maior a presença dele: estávamos comemorando os 200 anos da Tomada da Bastilha, o início da Revolução Francesa de 1789.

 

São Paulo era uma só! E por que não dizer, o mundo e o Brasil? Para, nós brasileiros, depois de anos de ditadura militar, era momento de reexperimentar a possibilidade de novos ventos, novas possibilidades de vida, de trabalho, de participação política, de poder sonhar com um país diferente. Mas o que o nos levava às ruas naquele 14 de julho de 1989? Quais os sentimentos que afloravam em nós para nos levar a reviver os ideais de uma revolução que mudou os rumos da França e, junto com ela, o mundo?

 

França, 1789, um país assolado no modelo de política absolutista que ainda predominava em toda a Europa. Sob a tutela do “ancien régime”, os reis governavam como deuses. Não havia limites aos seus poderes. A sociedade francesa apresentava-se dividida em três grupos com diferenças muito latentes. Existiam dois grupos de privilegiados: a Nobreza e o Clero. Estes desfrutavam de uma vida de luxo, prestígio político, econômico e social. Colocavam-se acima das regras e das leis. Seus gestos e sua postura denunciavam um descaso para com os milhares de súditos, maioria da população, que viviam à margem da sociedade e de tudo que era necessário para uma vida digna.

 

O governo estava nas mãos da Dinastia dos Bourbon, que reinavam na França há aproximadamente 200 anos. Sob a autoridade de Luís XVI, o país acabou se envolvendo em guerras e conflitos que desgastaram a população e, principalmente, o erário. Os ministros da economia de Luís XVI até que tentaram por diversas vezes implementar mudanças que pudessem promover reformas, a fim de reestruturar a combalida economia francesa. Barrados pela própria estrutura em que viviam, não foram capazes de sequer defender a ideia. Também não foram capazes de perceber que o mundo havia dado uma “girada” e, incapacitados pela miopia social em que estavam, fechavam-se, recolhiam-se em castas para tentarem perpetuar um modelo político-social que já dava sinais de falência.

 

Eram os ventos dos ideais do Iluminismo. Um conjunto de ideias que nasceu do outro lado do canal da Mancha, na Inglaterra, berço de tantas outras mudanças como a Revolução Gloriosa e a Industrial, mas que teve em território francês o seu auge. Os governantes da França do século XVIII não foram capazes de compreender que os ideais de liberdade e igualdade se alastravam e iniciavam a desconstrução de um modelo de sociedade que já não atendia aos anseios de novos e fortes grupos sociais que haviam se formado no seio desta mesma. Lutar contra o autoritarismo, a corrupção, a falta de participação e representatividade política tornou-se sinônimo de renovação e, por que não de revolução?

 

Os ventos do pensamento liberal eram nascidos de uma classe geradora de riquezas, mas limitada por uma estrutura arcaica, já não mais condizente com a modernidade pretendida. A nascente “classe média”, influenciada pelas ideias das Luzes, buscava se afirmar. E esta afirmação não condizia com os obstáculos erguidos pelo “ancien régime”. A individualidade, as liberdades de expressão, de participação, de representatividade, a liberdade econômica já estavam no modo de operar desta nova classe. Derrotar o autoritarismo absolutista era e deveria ser a luta de todos.

 

A passagem de súditos para cidadãos requer sermos reconhecidos com direitos. Os direitos à vida, alimentação, moradia, educação, saúde passam a ser inalienáveis e universais. Não mais de um grupo de privilegiados. A Tomada da Bastilha, em 14 de julho de 1789, foi simbólica. Mas significou muito. Não somente o fim de uma era. Mas o início de uma luta política que nos envolve até os dias atuais. E por todas as pessoas que lutaram e fazem desta lembrança memória de luta, pintemos nossos corações, nossa vida, nas cores da liberdade, igualdade e fraternidade. “Vivre la Révolution”.

 

Por Antonio Carlos Nogueira Coldibeli

Professor

Seis estudantes do Colégio dos Jesuítas participam da Olimpíada Nacional em História do Brasil

 

O Colégio dos Jesuítas está presente na décima-terceira edição da Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB), organizada pela Unicamp.

 

Sob orientação do professor de História Pedro Victor Monteiro de Carvalho, seis estudantes da 3ª série do Ensino Médio Integral estão divididos em duas equipes: “Bitucas” e “Os Ianomâmis”. Os estudantes Luiza Gonzaga Furtado Mendonça, Matheus Ribeiro Debussi Avezani e Thais Gabrielly Gomes Tagliaferri são os “Bitucas”. Já “Os Ianomâmis” são Giovana Simplício Pinto dos Santos, Guilherme Gonçalves da Silva e Yula Amaro de Oliveira.

 

A competição começou no dia 3 de maio. Nesta segunda-feira (10), começou a segunda fase, prevista para terminar no sábado (15). Ao todo, a Olimpíada terá seis fases e a final está marcada para o mês de agosto.

Patrimônio Histórico e Cultural

 

Sempre nos deparamos com a questão da preservação do patrimônio histórico e cultural não só do Brasil como do mundo todo. Quando falamos em patrimônio histórico, devemos pensar que isso significa uma forma de escrever história. Tanto a cidade quanto a escrita sobre ela fazem parte de um processo de memorização individual e coletiva. Mas qual seria o conceito de patrimônio histórico? O patrimônio histórico representa os bens materiais ou naturais que possuem importância na história de determinada sociedade ou comunidade. Podem ser prédios, ruínas, estátuas, esculturas, templos, igrejas, praças, ou até mesmo parte de uma cidade, por exemplo, o centro histórico. Esse conceito começou a ser disseminado a partir do século XIX após a Revolução Francesa (1789). Para Dominique Poulot, a Revolução não teria sido apenas a vontade de se desligar do passado feudal com a destruição de seus signos, mas seria também “uma inflexão importante da inscrição memorial” da coletividade.

 

A consciência de viver em uma temporalidade comum, de pertencer a uma contemporaneidade afastada do passado (…), é provavelmente um dos resultados mais evidentes dos decênios revolucionário e imperial, transformando-os em uma experiência amplamente compartilhada (POULOT, Dominique. Uma história do Patrimônio no Ocidente, séculos XVIII-XIX: do monumento aos valores. São Paulo: Estação Liberdade, 2009)

 

Esses bens estão intimamente relacionados com a história da localidade ou do seu povo e servem como fontes de estudos para os historiadores. Através do patrimônio histórico, portanto, podemos conhecer a história e tudo que a envolve. Por exemplo, a arte, as tradições, os saberes e a cultura de determinado povo. Por esse motivo existem, atualmente, diversos órgãos que objetivam a conservação e preservação desses bens. Quais órgãos? O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), cabe ao Iphan proteger e promover os bens culturais do país, assegurando sua permanência e usufruto para as gerações presentes e futuras.
Aliado ao conceito de patrimônio histórico está o de patrimônio cultural. Segundo o artigo 216.º da Constituição, o patrimônio cultural representa os bens:

 

“(…) de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira”.

 

Quando os bens são tombados pelo órgão responsável, isso significa que possuem estimado valor histórico e cultural. Essa intervenção tem como objetivo preservar o patrimônio, uma vez que, depois do tombamento, eles não podem ser demolidos ou reformados. Entretanto, os bens tombados podem estar sujeitos a um processo de restauração e/ou manutenção sem que as características originais desapareçam. O que ocorre na maioria das vezes, porém, é o esquecimento desse bem. Ficam abandonados, sujeitos às intempéries do tempo. Ao circular pelas cidades do interior do país, observa-se, com frequência, a degradação de inúmeros imóveis seculares, de valor artístico e cultural, de propriedade particular ou pública, que lamentavelmente dão lugar a outras edificações.

 

A importância pela preservação do Patrimônio histórico e cultural é extremamente relevante. Há uma rica diversidade cultural à qual deve ser dada continuidade. É preciso possibilitar às gerações presentes e futuras o direito à memória, à cultura e ao acesso ao patrimônio cultural imaterial, fundamentais para o equilíbrio do meio ambiente em que a sociedade está inserida.
Por que, depois da Revolução Francesa (1789), começamos a valorizar o Patrimônio Histórico?
Uma exploração do passado e de uma evocação dos símbolos na construção da nacionalidade presente e futura. Além disso, é uma apresentação pedagógica, de divulgação para a formação do cidadão.

 

Por Adriana Malaquias e Marcela Torres

Professoras

Tiradentes: mito ou herói?

 

 

O dia 21 de abril é feriado no Brasil porque se comemora o Dia de Tiradentes. A data remete ao dia da morte do mineiro Joaquim José da Silva Xavier, o que ocorreu em 21 de abril de 1792. Joaquim José foi um dos líderes da Conjuração Mineira. Era conhecido pelo apelido “Tiradentes” e é considerado por muitos como um “herói nacional”. Mas de onde vem essa ideia do heroísmo de Tiradentes?

 

De todos os participantes da Conjuração Mineira, Tiradentes foi o único executado. Era o participante mais atuante e por ser militar, ou seja, devia obediência à Coroa, a penalidade foi mais cruel. Depois de três anos preso, o alferes, no dia 21 de abril de 1792, foi enforcado, decapitado e esquartejado. Para que os súditos da Coroa nunca se esquecessem da lição, a cabeça de Tiradentes foi encravada numa estaca e exposta em praça pública em Vila Rica, e seus membros, espalhados pela estrada que levava ao Rio de Janeiro.

 

Com o tempo, sobretudo após a Independência, sua imagem passou a ser usada como símbolo de luta pela liberdade no Brasil, tanto na fase imperial quanto na fase republicana. Na fase republicana, essa construção simbólica foi necessária para dar credibilidade à República, já que todo processo de implantação da mesma foi desprovido de qualquer apoio popular, abrindo aí uma lacuna. Para o historiador José Murilo de Carvalho, autor de A Formação das Almas (Rio de Janeiro: Cia. das Letras, 1ª edição, 1990), “para consolidar-se como governo, a República precisava eliminar as arestas, conciliar-se com o passado monarquista, incorporar distintas vertentes do republicanismo. Tiradentes não deveria ser visto como herói republicano radical, mas sim como herói cívico religioso, como mártir, integrador, portador da imagem do povo inteiro”, alguém que fosse um líder, mas de características também submissas, como exemplo ao povo.

 

Sob esse aspecto, Tiradentes pode ser visto como uma das mais importantes figuras que tiveram sua representação manipulada a fim de fortalecer a nossa República. Sendo representado sob a figura de um mártir quase messiânico, Tiradentes é colocado como o formador de um ideal patriota em que a nação se colocava antes da própria vida.

 

Portanto, nos últimos anos, essa ideia de mito vem sendo desconstruída por alguns historiadores. Há um retorno na documentação, valorizando a busca de uma nova leitura, dando ênfase aos aspectos não tratados em fontes anteriores e essas fontes têm muito a nos revelar.

 

Existe um Tiradentes sob várias faces: o mártir símbolo dos republicanos, o sacrificado como Jesus Cristo, o bode expiatório, o líder da Conjuração Mineira, o ignorante. Qual dessas seria a face verdadeira? Especulações à parte, o que importa na história da Inconfidência Mineira é que a imagem de Tiradentes enquanto herói resiste ao tempo. Mas, como a História do Brasil continua sendo escrita, qual a história que será contada, no futuro, sobre o que está ocorrendo no presente?

 

Qual é o verdadeiro Tiradentes? O mártir, símbolo da República? O líder da Conjuração Mineira? O ignorante? Ou aquele que serviu de exemplo para seus companheiros? O que importa na história da Conjuração Mineira é que a imagem de Tiradentes enquanto herói resiste ao tempo. Mas, como a História do Brasil continua sendo escrita, muito ainda há para ser abordado e discutido, e a historiografia brasileira vem se enriquecendo a cada dia com novos trabalhos e novas pesquisas, mas Tiradentes ficou eternizado na história.

 

Por Adriana Malaquias e Marcela Torres

Professoras

Literatura e contação de história: tecendo perspectivas para a formação de um leitor

“Que meu conto seja belo e que se desenrole como um longo fio…”

 

Deixe-me falar de um tempo, um espaço, uma voz e um ouvinte, sim, porque, para se contar uma história, não se necessita de mais que isso, mas é preciso cuidado… o cuidar do outro. Quando alguém se propõe a contar uma história, espera que o outro a colha e ao mesmo tempo acolhe o seu ouvinte num espaço outro, o espaço do afeto. O tempo então se expande para outra dimensão, não é o imediato do agora, é o tempo da criação, aquele tão essencial para a cura de nossos medos, angústias, certezas e incertezas, desejos e entregas … das vozes que trazemos dentro de nós.

 

Por conseguinte, contar e ouvir histórias é um ato de afeto, pois tanto quem conta, quanto quem ouve se deixa afetar pela alteridade e cria um vínculo do que há de mais humano entre nós, o reconhecimento da casa comum que é a vida, do que nos move para uma finalidade maior que nosso amor-próprio, o amor fraterno. Por isso, Jesus fez das Parábolas um meio para nos afetar, nos levar para o outro mundo, aquele que nos permitiria vencer o nosso ego, para sermos mais e melhor para outro, o próximo.

 

Bem, caro(a) leitor(a), você deve ter notado que não especifiquei nenhuma faixa etária para o(a) ouvinte, nem para o(a) contador(a) de histórias. Se não o fiz, é porque a minha experiência me mostrou que não há. Normalmente se espera que o(a) contador(a) de histórias seja o adulto e a plateia seja a criança, mas, ao longo da minha vida profissional e pessoal, já encontrei grandes contadores de histórias entre as crianças e vários adultos com dificuldades para se disporem a serem ouvintes, portanto, a meu ver, não é uma questão de idade, é uma questão de disponibilidade para se entregar a essa experiência tão humana e atávica.

 

E o que a Literatura tem a ver com isso? Tudo. A Literatura é antes de tudo uma experiência estética que nos permite ouvir as vozes dos outros com os olhos, como brilhantemente escreveu Eduardo Galeano em seu conto “A função do Leitor/1”, e que nos leva a vivenciar outros lugares de ser e de estar, ampliando a nossa visão do mundo, das pessoas e de nós mesmos. Por isso, ela caminha de mãos dadas com a contação de história, já que uma alimenta a outra. Pois a oralidade precede a escrita, basta lembrarmos dos Contos de Fadas, que foram recolhidos das histórias contadas oralmente pelo povo. E o bom/a boa escritor(a) é, antes de tudo, um(a) excelente ouvinte das vozes que se perpetuam dentro de si e dentro do seu próximo.

 

 

Outra vez aqui não farei a distinção da faixa etária para a obra literária, pois, a meu ver, o texto literário, quando bem escrito, transcende a isso. Porque há obras extremamente maduras e sofisticadas enquanto provocação estética e de reflexão na Literatura dita Infantil, como há livros extremamente desprovidos disso na Literatura voltada para adultos.

 

E como separar o joio do trigo? Não há uma fórmula, tudo depende da formação do(da) leitor(a), ou seja, do quanto foi a ele/ela oferecido(a) de experiências para que ouvisse as vozes do seu próximo e fizesse uso da sua voz, para contar as suas histórias e as dos outros, quer seja oralmente ou através da escrita, num tempo/espaço da criação, no encontro e na entrega dos afetos que nos aproximam como irmãos. E se esse processo se inicia na infância, ele não se encerra nela, ou em nenhuma outra faixa etária, outrossim encaminha-se ao longo da vida de cada um de nós, ou seja, somos e seremos sempre, com maior ou menor disponibilidade, leitores em formação.

 

Portanto, este texto não se propôs a qualificar e a especificar as ferramentas pedagógicas para a formação do(da) leitor(a), deixo isso para um outro momento, e peço antecipadamente desculpas se isso lhe possa ter causado, amigo(a) leitor(a), alguma frustração, mas o que eu queria mesmo é lhe comover, lhe provocar, para que, quem sabe, você se sentisse disponível a ouvir ou contar uma história… seja ela oral ou escrita. Assim, juntos, num espaço de afeto, desenrolaríamos os fios de nossas vidas e teceríamos um encontro de amor fraterno. Por isso… “essa história entrou por uma porta e saiu pela outra, quem quiser que conte outra”.

 

Por Magali Machado Silva Jobim

Professora

 

Referências bibliográficas

 

  • ALBERGARIA, Lino. Do folhetim à literatura infantil: leitor, memória e identidade. Belo
    Horizonte, MG: Ed. Lê,1996.

 

  • BUSATO, Cléo. A arte de contar histórias no século XXI. Tradição e Ciberespaço. Petrópolis, RJ:
    Vozes, 2006.

 

  • COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: teoria, análise, didática – 1 ed. São Paulo:
    Moderna, 2000.

 

  • MARIA, Luzia de. Amor Literário: dez instigantes roteiros para você viajar pela cultura letrada.
    Rio de Janeiro: Ler &Cultivar editora, 2016.

 

  • MATOS, Gislayne Avelar. A palavra do contador de histórias: sua dimensão educativa na
    contemporaneidade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

 

  • MATOS, Gislayne Avelar, SORSY, Ino. O ofício do contador de histórias: perguntas e respostas, exercícios práticos e um repertório para encantar. São Paulo: Martins Fontes, 2005.