PISM 2022: Equilíbrio é palavra-chave para estudantes nos dias anteriores às provas

 

As provas do Programa de Ingresso Seletivo Misto (PISM) 2022 da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) serão aplicadas no sábado e no domingo, dias 5 e 6 de fevereiro.

 

Os dias anteriores às provas costumam ser de grande expectativa e ansiedade para os(as) estudantes. Afinal, depois de muitos meses de preparação para as avaliações, finalmente o grande momento está chegando.

 

Em entrevista à Rádio Catedral de Juiz de Fora, o professor do Colégio dos Jesuítas Wanderluce Gonçalves de Paula Gomes deu algumas dicas para os jovens passarem por essa etapa com calma e sucesso.

 

Confira o que o professor recomendou! Já adiantamos que uma das orientações é manter o equilíbrio entre revisão, leitura e descanso.

ENEM 2021: segundo dia de acordo com as expectativas

 

O segundo dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio transcorreu com tranquilidade para a comunidade educativa do Colégio dos Jesuítas. Com uma preparação intensificada na última semana, os estudantes foram confiantes para as provas de Matemática, Ciências da Natureza e suas respectivas tecnologias.

 

Com relação às questões de Matemática, o Professor Paulo Roberto Fernandes II afirmou que “a prova […] veio mais conteudista do que nos anos anteriores e abrangeu praticamente quase todo conteúdo do programa. Teve um grau de dificuldade maior do que no ano anterior, mas dentro do esperado”. A mesma perspectiva foi adotada pela Assessora da Área, professora Gisele Rosa Breviglieri. Segundo ela, “a prova de matemática apresenta poucas oscilações de conteúdo de um ano para o outro. Sendo assim, a distribuição de conteúdos clássicos foi mantida”.

 

Quanto à área de Ciências da Natureza, as observações apontam para uma prova também conteudista, mas de acordo com as expectativas. Na Química, “as questões do ENEM 2021 apresentaram uma distribuição tradicionalmente esperada entre os conteúdos previstos, embora com mais itens de Química Orgânica (se comparados às edições anteriores)” – relatou o professor da 3ª série, Marcelo Marins Ramalho.

 

A Biologia, analisada pelos professores Wander de Paula Gomes e Luiz Francisco Fazza, diversificou os conteúdos cobrados. Na visão dos docentes, a prova deixou de ter Ecologia como um dos focos principais e valorizou conteúdos específicos, como nas questões de Botânica. Além disso, privilegiou a interpretação por parte dos estudantes, tendo o texto-base das questões trazido muitas informações relevantes.

 

Completando a área, a prova de Física seguiu a linha e não gerou surpresas. O professor Wagner Augusto Teixeira da Silva afirmou: “[…] percebemos uma quantidade considerável de questões sobre calorimetria, termometria, eletromagnetismo, eletrostática e eletrodinâmica. O nível de dificuldade das questões nos pareceu adequado, poucas questões exigindo cálculos complexos, muitas questões de caráter puramente conceitual e um ponto que chamou a atenção para a prova desse ano foi o reduzido número de questões sobre Dinâmica”.

 

Na opinião dos professores, a preparação oferecida aos estudantes do Colégio dos Jesuítas esteve bem alinhada com as provas, o que se reflete na expectativa de bons resultados e aprovações no Ensino Superior: “Com tranquilidade, podemos ressaltar que os alunos do Colégio dos Jesuítas receberam embasamento e preparação para realizarem as provas com qualidade e, assim, obterem o sucesso esperado”, declarou a Assessora de Área – Ciências da Natureza, professora Simone Alves de Oliveira Cortes.

 

Nas próximas semanas, a terceira série estará envolvida com o Revisional PISM. O Colégio dos Jesuítas segue oferecendo uma vivência rica de aprendizagens que também prepara com excelência para os desafios das avaliações externas. A formação integral, o cuidado socioemocional e a qualidade acadêmica contribuem para a preparação dos estudantes para a vida!

 

Por Prof. Ivan Bilheiro

Orientador Pedagógico 

Semana das Profissões

O Ensino Médio é a última etapa da Educação Básica e proporciona aos estudantes um período de muitas aprendizagens, realizações, desafios e escolhas. Muitas são as expectativas criadas durante esse período, em que o autoconhecimento se faz presente. Ao alcançar a 3ª série do Ensino Médio, os estudantes deparam-se com um momento de escolha sobre o futuro e qual caminho trilhar para além dos muros da escola.

 

O Colégio dos Jesuítas, em sua proposta pedagógica, desenvolve um olhar cuidadoso aos seus estudantes e possui o compromisso com a educação integral, caracterizando, assim, um forte trabalho para que o estudante realize a construção de seu projeto de vida.

 

Buscando responder às demandas e aspirações, presentes e futuras, de acordo com o Projeto Educativo Comum (2016), a escola que acolhe a juventude precisa “responder aos desafios de cada tempo, de forma crítica, consciente e efetiva, empreendendo caminhos com coragem para inovar e renovar”.

 

O acompanhamento ao estudante, realizado pelos Orientadores de Aprendizagem, busca atender às necessidades dos educandos, de modo a estabelecer vínculo de confiança e a ajudar na promoção do amadurecimento, trabalhando habilidades e competências e buscando desenvolver nos estudantes as dimensões: cognitiva, socioemocional e espiritual-religiosa. O acompanhamento acadêmico permanente e personalizado, é vivenciado junto a uma prática que permite mapear dificuldades e problemas, dar suporte e planejar ações preventivas e efetivas a cada estudante.

 

Diante da realização das avaliações externas, os estudantes deparam-se com os mais diversos processos seletivos, em que o exercício do ensino e da aprendizagem estão intimamente relacionados, de maneira que todas as etapas são cuidadosamente trabalhadas e alinhadas juntamente com os estudantes, fornecendo apoio e discernimento na caminhada.

 

Com o objetivo de dar suporte à trajetória dos estudantes, a Semana de Profissões proporciona o contato e vivência com as mais variadas áreas, carreiras e perspectivas, de modo a estimular um processo de autoconhecimento, autoavaliação, compreensão e gerenciamento das emoções, motivando os jovens para que possam tomar decisões autônomas e seguras.

 

A tomada de decisão sobre o que fazer e como será após a conclusão da Educação Básica, é atrelada a muita ansiedade, insegurança e dúvidas. Assim, compreender os gostos, identificar seus talentos e vocações, estabelecer afinidades e expectativas, são estratégias que auxiliam o estudante a acalmar os pensamentos e orientar-se quanto às suas escolhas.

 

Diante deste contexto, foi muito importante e construtiva a vivência da Semana de Profissões, tivemos muitos retornos e relatos positivos dos estudantes e suas famílias, tornando único este momento de troca de experiências através da interação dos estudantes com os convidados do evento.

 

Por Adelisa Lempk, Giuliannna Almeida, Iata Anderson Malafaia, Lorena Silva de Oliveira, Mariana Consulmagno Fávero

Orientadores de Aprendizagem da Unidade III

Dilemas sobre a abolição da escravidão

 

O período imperial foi marcado por diversos conflitos ideológicos em relação à escravidão. De um lado, existiam os abolicionistas e, de outro, os que defendiam a continuidade da escravidão. E, no meio desses conflitos, ainda existiam os negros que lutaram de diversas maneiras pela sua liberdade.

 

A abolição da escravatura foi um dos acontecimentos mais importantes da história do Brasil. A Lei Áurea foi assinada no dia 13 de maio de 1888, tendo a princesa Isabel como protagonista deste fato histórico. A lei contém apenas dois parágrafos: um abolindo a escravidão e um outro revogando as disposições contrárias. Mas por que este tema ainda é tão comentado atualmente?

 

A Lei Áurea marcou o fim do escravismo no Brasil. Todavia, na citada lei, não existiu nenhum parágrafo inserindo o ex – escravo na sociedade e no mercado de trabalho. Dessa maneira, o preconceito e a discriminação são heranças da escravidão no Brasil. Portanto, acabou a escravidão, mas permaneceu a mentalidade colonizada entre nós brasileiros, que se expressa, no dia a dia, pela reprodução das relações de desigualdade e falsa ideia de superioridade. E como essa ideia se expressa? Através do racismo e da desigualdade social. Ela funciona como elemento de distinção entre brancos e negros.

 

Diante de tais evidências de um passado recente, que marcou a sociedade brasileira, faz-se necessário perguntar: O que podemos refletir sobre a data 13 de maio?

 

O Brasil é o país com o maior número de negros fora da África, 56,10% da população brasileira se declara negra, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua do IBGE. Como um país com maioria declarada negra no país, não os vê?

 

O preconceito racial tinha suas raízes dentro e fora do Brasil. Os alforriados tornaram-se indesejados, tratados como desocupados e abandonados nas ruas. O que podemos ver na descrição do historiador Luiz Edmundo, (1878-1961), em seu livro O Rio de Janeiro do meu tempo:

 

Por elas vivem mendigos, os autênticos, quando não se vão instalar pelas hospedarias da rua da Misericórdia, capoeiras, malandros, vagabundos de toda sorte: mulheres sem arrimo de parentes, velhos que já não podem mais trabalhar, crianças, enjeitados em meio a gente válida, porém o que é pior, sem ajuda de trabalho, verdadeiros desprezados da sorte, esquecidos de Deus…(…) No morro, os sem- -trabalho surgem a cada canto”.

 

A forma traumática como a escravidão desenvolveu, precisa ser refletida, pois a população negra ficou à margem da sociedade e atirada à própria sorte. Não houve orientação para os alforriados, por exemplo, para se integrarem no mercado de trabalho assalariado.

 

Uma das ações para que possamos refletir sobre o assunto, são as ações afirmativas, lembrando que há muita luta ainda por vir. Mesmo que a Lei Áurea, de 13 de maio de 1888, tenha sido assinada para interromper a escravidão, ela eximiu de incluir, economicamente e socialmente, negros no país. Portanto, a referida data se tornou uma data para denunciar o racismo, a pobreza e a falta de oportunidades das comunidades negras.

 

Por Adriana Malaquias e Marcela Torres

Professoras

Aulas on-line: confira dicas que vão facilitar a vida familiar

Durante a pandemia do novo coronavírus, vimos as tradicionais salas de aula migrarem para as telas, que antes eram apenas sinônimo de diversão, passatempo e fonte de informação.

O ensino a distância já era uma modalidade comum para o ensino superior, mas o desafio veio mesmo quando a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio também tiveram que se adaptar. Pensando nisso, separamos algumas dicas para responsáveis e estudantes lidarem com as aulas on-line da melhor forma possível. Veja só!

 

Dicas para os responsáveis

 

Mantenha um diálogo aberto

Converse sempre com a criança (ou o adolescente). Esteja aberto a ouvir o que ela tem a dizer e busque compreender suas necessidades.

Seja parceiro e cobre menos

Mostre que está ao lado de seu filho e respeite-o. Caso ele encontre dificuldades, ajude-o a encontrar soluções. Impor limites faz parte, mas não cobre tanto. Isso pode inclusive piorar o processo de aprendizado. Neste momento atípico, o seu apoio faz toda a diferença!

Acompanhe o desenvolvimento e abuse da criatividade

Aproveite o momento para acompanhar mais de perto o desenvolvimento escolar do estudante. Assim como a escola, os responsáveis também devem se esforçar e usar a criatividade, por exemplo, na busca por alternativas mais lúdicas e que ajudem a sanar as dúvidas sobre os conteúdos ou as atividades apresentadas.

Procure apoio psicológico quando necessário

O distanciamento social e o estresse da mudança de rotina podem desgastar emocionalmente a criança. Fique de olho, e, se os efeitos emocionais comprometerem o aprendizado e outras tarefas, não hesite em procurar ajuda.

Converse sobre a postura adequada durante as aulas

As aulas on-line também requerem atenção plena do estudante, e a postura durante o aprendizado é essencial. Converse com ele sobre esse momento. Explique o quanto é importante que ele se dedique e dê o exemplo.

Dicas para estudantes

 

Construa uma rotina

Acorde, tome café, defina suas prioridades e tire o pijama! Por estar em casa, a preguiça e a falta de atenção podem aparecer, por isso o ideal é se preparar como se estivesse indo normalmente para o colégio.

Separe um local adequado para o estudo

Escolha um lugar tranquilo, silencioso, bem arejado e livre de distrações

Estabeleça um horário parecido com o da escola

Monte seu cronograma de estudos, de acordo com os horários das aulas e as atividades propostas pela escola, e não se esqueça dos intervalos!

Tire sempre as suas dúvidas

Pergunte, interaja e, durante os estudos, anote as dúvidas para tirá-las posteriormente com o professor. É sempre interessante diversificar a fonte de aprendizado. Procure canais no YouTube, leia livros, assista a filmes relacionados às matérias. Invista no que prende a sua atenção e no que te faz aprender e absorver melhor o conteúdo.

Dica extra para pais e estudantes

 

Mantenha uma boa relação com a escola e os educadores. Lembre-se de que o modo Jesuítas de promover educação de excelência, mesmo diante dos desafios e da distância, é capaz de formar pessoas conscientes, competentes, compassivas e comprometidas com a transformação do mundo. Confie em nossa rede e conte sempre conosco!

Continue acompanhando o nosso blog. Estaremos por aqui, compartilhando muitos assuntos relevantes e dicas superespeciais.